7 coisas que você precisa saber antes de colocar silicone

Fazer cirurgia plástica costuma ser mais que uma questão meramente estética: ela mexe muito com a autoestima da pessoa. Colocar silicone nos seios é um dos procedimentos mais comuns no Brasil, o segundo local na lista de países com maior realização de cirurgias com finalidade estética, e por mais assustador que pareça, cada vez mais adolescentes vêm aumentando o tamanho das mamas. A CAPRICHO acredita que cada pessoa é única e bela, e deve aprender a aceitar e reconhecer seu próprio corpo, mas não podemos fechar os olhos para esse número crescente. Então, como sua melhor amiga, precisamos te dizer algumas verdades – e você pode confiar nelas!

Para começo de conversa, antes de colocar silicone, é fundamental tomar alguns cuidados, principalmente se for menor de idade. Conversamos com o especialista em cirurgia plástica pela Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica (SCBP) Fernando de Almeida Prado, que dá dicas importantes para que a colocação da prótese seja segura.

1. Existem condições especiais para menores de idade
Com a autorização dos seus pais, que devem preencher e assinar um termo solicitado pelo médico, você pode, sim, colocar silicone antes dos 18 anos. Mas para a cirurgia acontecer, não depende só disso. Ela só deve ser feita se você realizar os exames pedidos pelo médico para ele ter certeza de que o crescimento total das suas mamas já foi consolidado. Se a resposta for não, então você precisará aguardar mais um pouco. Quem sabe, até lá, você até não muda de ideia?

2. É preciso escolher muito bem o cirurgião
Uma parte que merece muita atenção na sua cirurgia é o médico. Afinal, você vai confiar o seu corpo e a sua vida a ele. O ideal é que você consulte vários para ver com qual você mais se identifica e aquele que te passa mais segurança, além de se informar sobre o local onde ele opera (deve ser em um bom hospital) e perceber se ele responde todas as suas perguntas sem titubear – e se tiver menos de 18 anos, é importante também conversar com seus pais. O Dr. Fernando Almeida Prado ainda recomenda que você use a internet a seu favor! Pesquise o nome do médico, dê uma olhada no currículo dele, verifique se é mesmo um cirurgião plástico e se não há reclamações sobre ele na web. Se quiser se sentir ainda mais segura, vale até fazer uma consulta pública para ver se tem processo em cima dele.

3. O resultado varia de acordo com o seu corpo
Alguns detalhes da cirurgia dependem da própria mulher. Então, se por acaso alguma amiga sua colocou silicone, não necessariamente o seu vai ficar igual, mesmo que você vá ao mesmo médico que ela. A questão é que o tecido mamário e a pele de cada uma é diferente. Se o tecido tiver mais glândulas e menos gordura, por exemplo, o peito vai ficar mais durinho. Além disso, o Dr. Fernando Almeida Prado chama atenção para o fato de que hoje existem diversos tipos de próteses, que variam no diâmetro e na projeção. Ou seja, o peito que fica melhor para uma pode ser diferente do ideal para outra, e o médico te ajudará a ver essa questão.

A forma como o silicone vai ser colocado, na frente do músculo ou por trás dele, também depende de como é o seu peito hoje. Às vezes, o Dr. Prado conta, dá até para colocar uma parte por trás e outra pela frente. E todas essas questões influenciam em outra coisa: o corte. É possível colocar pela auréola, fazer um corte vertical ou na base do seio. Mas não se preocupe, a cicatriz não tende a ser algo muito aparente. De qualquer forma, tem gente que coloca a prótese pela axila para garantir.

4. O pós-operatório é meio chatinho
Se os detalhes que contamos acima variam, o pós-operatório, consequentemente, também. Por exemplo, se o músculo for descolado para colocar a prótese, a recuperação leva um pouco mais de tempo e é mais dolorida. Independentemente do caso, no entanto, o Dr. Fernando Almeida Prado garante que é necessário ficar pelo menos uma semana em casa de repouso, além de fazer as coisas devagar, sem movimentos bruscos e exagerados. É legal fazer a cirurgia durante as férias, já que fica mais fácil descansar em casa. Mexer as pernas também é muito importante para evitar trombose – o que é raro, mas é melhor prevenir. Quanto à dor, tem gente que sente mais e gente que sente menos, mas com certeza vão te receitar um medicamento para aliviá-la.

5. Se for feito tudo certinho, colocar silicone não é prejudicial
Ainda adolescente, muita gente tem medo de colocar silicone já pensando no futuro, com medo de que prejudique a amamentação ou seja difícil fazer exames de mama. Os pais também se preocupam. O Dr. Fernando Almeida Prado aponta que isso, contudo, não acontece se o médico for bem preparado. É que o silicone fica colocado atrás da glândula mamária ou do músculo, então, se a cirurgia for bem feita, a amamentação não é comprometida – e aí está, de novo, a importância de achar um bom médico. Quanto aos exames, o de toque fica mais difícil mesmo, então mulheres com silicone precisam fazer, ao invés da mamografia, uma ressonância magnética e um ultrassom.

6. É preciso fazer acompanhamento e trocar de prótese
Por falar em ressonância magnética, ela não é importante apenas para substituir a mamografia. Três anos depois de colocar silicone, você precisa se submeter ao exame e, então, repetir o procedimento a cada dois anos para acompanhar como está a prótese. É pela ressonância, também, que se vê quando está na hora de trocá-la. Há um tempo, essa troca costumava ser feita de 10 em 10 anos. O Dr. Prado destaca, no entanto, que com os avanços nas próteses e na tecnologia, hoje pode ser que esse tempo já se espace para 15 anos para algumas pessoas.

7. As chances de ter algum problema são muito pequenas
Quando se fala em cirurgia, muita gente fica com medo de algo dar errado. Se você já pensou muito em colocar silicone, provavelmente deve ter considerado isso. Mas, olha, se fizer com um ótimo médico, ele te mostrar a documentação da prótese, a cirurgia ocorrer em um bom hospital e você tomar todos os cuidados recomendados antes e depois, é muitíssimo provável que você goste do resultado e ele não apresente nada de ruim depois – como deslocamento da prótese, por exemplo.

Vale destacar mais uma vez, contudo, que você tem o direito da escolha, mas não deve colocar silicone só porque suas amigas têm peitão ou os meninos “preferem meninas peitudas”. Aliás, isso não é uma verdade absoluta, ok? Pense bem, converse com os pais e familiares, tire suas dúvidas com quem já colocou, veja os prós e os contras, pense mais uma vez e, se achar necessário, pense de novo.

Esse texto foi extraído de entrevista do Dr. Fernando de Almeida Prado à Revista Capricho, e você pode ler na íntegra acessando esse link.

O artigo acima foi classificado na seção: Novidades
Você pode pesquisar mais sobre o tema desse artigo utilizando a(s) Tag(s): ,

Divulgue, Compartilhe nosso site: